fbpx
  • Um dia descobri que o meu pai não era perfeito. Foi como se o mundo desabasse, para mim.
    Descobri, também, que a minha mãe não era perfeita. Então, senti mesmo que o chão debaixo dos meus pés tinha fugido para todo sempre.
    O meu “Mundo Perfeito” deu lugar ao caos, na minha cabeça, e não tive outro remédio senão chorar. Chorei e fiz o luto do “Mundo Perfeito” que, afinal, não existia senão dentro da minha mente.
    Descobri, por fim, que ninguém é perfeito (nem eu própria).
    Mas descobri também que, na nossa imperfeição, nós somos, de facto, perfeitos.
    Todas as nossas vidas se cruzam, em algum ponto da nossa vida, e todos temos algo a aprender e a ensinar uns aos outros.
    E essas lições tanto podem ser agradáveis, como podem provocar dor. E felizmente que o prato está normalmente bem equilibrado.
    Uma vez li um pequeno conto de Neale Donald Walsh, chamado “A Pequena Alma e o Sol”, em que uma pequena Alma, antes de encarnar, resolve vir aprender sobre o Perdão, na sua próxima encarnação. Ela quer aprender a perdoar.
    Então Deus diz-lhe: “Isso é muito especial. Mas devo avisar-te… É que não há ninguém a quem perdoar!”
    “Ai não???? Como assim?”, perguntou a Pequena Alma.
    “É que tudo o que Eu fiz é perfeito. Não há uma única Alma, em toda a Criação, que seja menos perfeita do que tu!”.
    E a Pequena Alma olhou à sua volta e teve de concordar com Deus. Realmente, nenhuma parecia menos maravilhosa ou menos perfeita do que ela. Então, ela ficou muito triste. Até que uma Alma Amiga lhe disse:
    “Não te preocupes. Eu vou ajudar-te! Posso entrar na tua próxima vida física e fazer qualquer coisa para tu perdoares.”
    “Mas porquê?” perguntou a Pequena Alma. “Porque é que tu farias isso? Tu, que és tão luminosa, tão perfeita! O que é que te levaria a entrares na minha vida e tornares-te tão pesada, a ponto de me fazeres algo de mal?”
    “É simples… porque te amo!” respondeu a Alma Amiga.
    A Pequena Alma ficou muito contente: “És um anjo, por estares disposta a fazer isso por mim.”
    Então Deus interrompeu e disse: “Claro que é um anjo. São todas! Lembra-te sempre de que não te enviei senão anjos!”
    Esta pequena história mudou a minha consciência. Mudou a minha percepção sobre o bem e o mal, sobre a luz e a sombra. Percebi que todas as lições que aprendi até agora, o fiz porque houve Anjos que, um dia, concordaram em entrar na minha vida e me ensinarem algo. E eu a eles.
    E que, mesmo que me façam sofrer, é para que eu aprenda algo. Tudo tem uma razão. E não é só para aprender a saber perdoar, é muito mais do que isso. É para aprender a valorizar-me, a tornar-me mais solidária, mais feliz, mais humana e mais Divina, também.
    Aprendi que, qualquer que seja o problema (hoje em dia gosto mais de lhes chamar desafios), tenho sempre escolha. Posso escolher ser a vítima, mas posso também ser a guerreira, que ergue a sua espada e procura entender qual a razão porque está a passar por isto, e qual é a lição que pode aprender aqui. E tenho sempre lições a aprender…
    Obrigada Pai, obrigada Mãe, por todas as lições de Amor que aprendi convosco! Obrigada a todos os que passaram pela minha vida, os que estão nela agora, e os que virão ainda.
    Obrigada por me ajudarem a tornar-me, cada vez mais, um Anjo.

error: Content is protected !!
This site uses cookies. By continuing to browse the site or clicking OK, you are agreeing to our use of cookies. Select ‘Change settings’ for more information.
Cancel