fbpx
  • Celebre o Amor (não é o que está a pensar…)

  • “O quê? Mais um email sobre o dia dos namorados? Baahhhh… que enjoo!”

    “Mafalda, mas eu nem sequer tenho companheiro/a…”

    “Pois… era bom, mas nem tenho tempo para pensar nisso.”

    É claro que, se estiver num relacionamento amoroso, pode, E DEVE aproveitar cada oportunidade para celebrar o Amor.

    Mas hoje venho convidá-la/o a fazer um exercício diferente.

    Hoje peço-lhe para refletir uns minutos sobre o relacionamento mais importante da sua vida: consigo mesma/o!

    • Há quanto tempo não olha para si com atenção?
    • Há quanto tempo não cuida de si como merece?
    • Há quanto tempo não faz algo de verdadeiramente importante por si?
    • Há quanto tempo se deixa ficar no final da fila, cuidando de todos e descuidando-se a si mesma/o?

    É claro que é necessário, e absolutamente louvável, que cuide dos outros, não me interprete mal.

    Nunca me passaria pela cabeça deixar de cuidar dos meus filhos e netos, do meu companheiro, da minha mãe, dos meus irmãos, cunhadas, sobrinhos, dos meus amigos. Mas, se o fizer ao preço de não me nutrir a mim própria, estarei a pagar um preço demasiado alto, e não vou prestar nem um bom serviço aos outros, nem a mim.

    Durante a maior parte da minha vida acreditava que cuidar de mim era uma forma de egoísmo. Hoje sei o quanto estava errada. À conta dessa crença, tornei-me uma completa desconhecida… de mim.

    Não fazia ideia de quem era, de que era importante conhecer-me, descobrir-me, perceber que eu também tinha as minhas carências, os meus vazios emocionais, as minhas dúvidas existenciais, dores e feridas que carregava comigo sem saber que tinha a possibilidade de havia a possibilidade, não só de as curar, como entender que todas essas dores, feridas, fantasmas e medos faziam parte do caminho da minha Alma.

    Até que, aos 40 anos, como muitos de vós já sabem, o meu corpo, que é muitíssimo inteligente, disse: “BASTA, Mafalda! Se não percebeste a bem, se não entendes que precisas mesmo de olhar para ti, e por ti, pode ser que agora abras os olhos, com um desafio físico.”

    E foi assim que o meu cancro de mama me “obrigou” a iniciar o meu caminho de autoconhecimento e, com ele, recebi de presente o grande Amor que até ali desconhecia: o Amor por mim.

    Amar-me, ouvir-me, respeitar-me, conhecer-me, descobrir os meus dons e talentos e colocá-los ao serviço, é a razão pela qual estou aqui, hoje, a celebrar este Amor consigo. É por Amor que faço o que faço. Entendi que este dom do Amor por mim é tão forte, tão importante, traz-me tanta Paz de Espírito, me ajuda a Amar os outros ainda mais, a cuidar deles com maior eficácia, que não podia deixar de o transmitir a todos os que me têm procurado, e vão continuar a procurar, para tornarem as suas vidas mais doces, com mais propósito.

    Consciência, é a resposta. Ser consciente de si, de quem é, da sua história, dos seus dons e talentos, da pessoa em quem se quer tornar.

    Então, desafio-a/o a celebrar o Amor por si, hoje!

    Com Amor,

    Mafalda

    P.S. Se desejar, fale comigo aqui

error: Content is protected !!
This site uses cookies. By continuing to browse the site or clicking OK, you are agreeing to our use of cookies. Select ‘Change settings’ for more information.
Cancel